Intervenção consegue reduzir dívidas, mas retorno do Baraúnas é incerto para 2019

March 22, 2019

O interventor do Baraúnas, Damásio Medeiros, informou que o clube segue trabalhando forte para sair da situação em que se encontra. A contabilidade está organizada, uma parte da alta divida trabalhista já foi quitada, mas mesmo assim não há certeza de o futebol profissional do time retomar suas atividades neste ano.

 

Com seis meses de trabalho, a intervenção no clube já colhe bons frutos.

 

“O Baraúnas caminha a passos a largos, o clube hoje tem uma contabilidade organizada, entregando todas suas responsabilidades fiscais mês a mês, e com um CNPJ ativo como determina a lei. Na parte administrativa, as ações são feitas no tocante a resolver problemas financeiros, tomando decisões pontualmente, solucionando as mesmas. Hoje, o Baraúnas já minimizou muitas dívidas, algo em torno de 35%”, informou Damásio, sem detalhar valores já pagos e outros por resolver sobre as ações trabalhistas, que o clube sofre desde a década de 90.

 

O dinheiro para quitar as contas advém do quadro de associados do clube e ações para levantar recursos como venda de camisas, eventos na Toca do Leão e rifas. Esse trabalho é desempenhado pelo grupo de interventores, liderado por Damásio.

 

A Justiça estendeu o prazo da intervenção, mas essa intervenção poderá acabar em maio, após a realização das eleições para definir o Quadro Direito do tricolor.

 

“Tem uma eleição marcada, salvo engano, para maio. Os sócios estão ativos, pagando ao clube, e são eles que participam do pleito com o exercício do voto. Se houver mais gente interessada em participar, nos procure, estamos a disposição para recebê-los e efetivá-los para que a gente consiga tirar o Baraúnas dessa situação”, informou Damásio.

 

Sobre o retorno do time profissional aos gramados, o que ocorrerá através da segunda divisão por ter sido rebaixado ano passado, o interventor do Baraúnas é enfático ao defender o regresso após a quitação total dos débitos.

 

“Eu defendo que o Baraúnas volte quando estiver zerado com suas dívidas. Os empresários, que participam com a gente nas reuniões, utilizam essa estratégia na empresa deles, e a gente está empregando isso aqui no clube. Se a empresa está endividada, ela tem que zerar suas contas para depois partir para as ações, se ela está endividada e faz as ações ao mesmo tempo, isso vai gerar outras dividas, ai se transforma em uma ‘bola de neve’. Defendo sim, que o clube só volte quando as contas estiverem zeradas”, disse, veemente.

 

“Vejo o torcedor dizer, até alguém da imprensa, também alguns outros mais chegados em ajudar o clube, ora qual o clube que não deve? Lógico, muitos devem e outros, não. Mas os que devem, são clubes com dividas administráveis, o que não é o caso do Baraúnas. Um exemplo: Paulo Henrique Ganso veio para o Fluminense, o clube está com três meses de salários atrasados, mas o cara vem, pois sabe que um dia vai receber, e no caso do Baraúnas, o cara sabe que não vai receber, pois o clube está afundado em dividas, isso é uma realidade, todos já sabem. O Baraúnas tem é que sair dessas dividas para depois pensar contrair outras, senão se torna como já disse uma bola de neve, e terminando por piorar ainda mais a situação”, concluiu.

 

Foto: Reprodução TCM

Damásio Medeiros informou que o Baraúnas minimizou as dívidas em 35%

                       

 

                                      

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

© 2017  - Todos os direitos reservados a Marcos Santos. Orgulhosamente criado com Wix.com

Espaço publicitário